By Ana Bailune
"Toda a arte é completamente inútil." -  Oscar Wilde
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


Onde Está a Barbárie?
 
Um rapaz é torturado em São Bernardo do Campo por suspeita de estar envolvido em um roubo de bicicleta. Um filme circula pelas redes sociais, no qual dois tatuadores tatuam na testa do rapaz os seguintes dizeres: “Sou ladrão e vacilão.”
 
As notícias se cruzam, se entrecruzam e não atingem um senso comum: alguns dizem que o possível ladrão é deficiente mental, viciado em drogas e alcoólatra, enquanto outros afirmam que a vítima (ou quase vítima) do roubo é quem sofre de deficiência mental. Uns defendem o torturado, e outros, os torturadores.

Fato é que da verdade nua e crua, ninguém sabe.

Um internauta decide fazer uma campanha de arrecadação a fim de pagar pela remoção dos dizeres tatuados na testa do rapaz, e sofre ameaças de morte por isso. Enquanto isso, outros o criticam alegando que, quando há uma campanha para ajudar alguém doente, não se arrecada tanto dinheiro assim – dizem que a quantia já ultrapassa quinze mil reais, em apenas alguns dias de campanha.

Observando tudo isso, eu me pergunto: onde está a barbárie? Quem está certo, e quem está errado?

Só consigo ver erros em todos os lados.

O rapaz errou por ter roubado, se é que ele realmente roubou. Errou ao tornar-se usuário de drogas e alcoólatra. A família dele errou por não dar a ele a assistência que ele precisa. Os torturadores erraram ao marcarem o rapaz por um crime que até agora as informações não confirmam se ele cometeu ou não. E mesmo que tivesse cometido, isto não justificaria alugar um quarto de pensão, sequestrar uma pessoa e praticar tortura contra ela, filmando e colocando tudo em redes sociais – o que prova a deficiência mental também dos tatuadores.

Às vezes, na hora em que um criminoso é pego no ato, o sangue quente pode fazer com que alguém o agrida antes de chamar a polícia, mas não foi o caso. Os tatuadores em questão tiveram a frieza e o tempo de alugar um quarto de pensão, levando para lá todo o equipamento de tatuagem, sequestrar o garoto, tortura-lo e filmar tudo. Não foi uma reação causada pelo calor do momento: foi algo fria e calculadamente planejado. Não podemos aceitar que isso se torne comum. Afinal, em que mundo queremos viver? Torturar é normal agora?

Este é um tempo no qual circulam nas redes sociais toda espécie de barbáries e atrocidades, cometidas por alguns e defendidas ou criticadas por muitos. Vemos casos de idosos e crianças sendo agredidos covardemente, enquanto alguém filma tudo e põe na rede com dizeres como: “Compartilhem! Vamos pegar este criminoso!” Porém, quem filmou e nada fez também não cometeu crime? E quem, ao descobrir marcas e feridas no corpo de uma criança ou idoso, ao invés de chamar a polícia e demitir imediatamente o cuidador, preferiu colocar uma câmera escondida a fim de ‘pegar no flagra’ o torturador – sabendo que quem sofre as agressões poderia correr risco de morte – também não age de forma bárbara?

Como eu poderia, sabendo que minha própria mãe ou avó, ou até meu bebê, tem marcas de agressões no corpo e que a próxima vez poderia ser a última, ter a frieza de instalar uma câmera e deixa-la ser agredida mais uma vez?

Aqui na minha cidade houve o caso de um homem que agrediu um cão de rua à facadas, causando sua morte. O caso aconteceu no meio da rua, e ninguém fez nada para impedi-lo. Todos sabem quem ele é, mas ninguém pensou em denunciá-lo ou impedi-lo enquanto o crime acontecia. Mas é claro, alguém filmou, fotografou e colocou no Facebook. Em um outro caso, um homem aparece colocando um cachorrinho dentro de uma caixa de papelão, enquanto vários observam e um deles filma tudo; depois, o tal homem ateia fogo à caixa, com o cão dentro, e ninguém faz absolutamente nada enquanto o cão grita, e após finalmente conseguir sair da caixa, sai correndo, em chamas. Quantos criminosos há nesta postagem?

Acho que quem assiste a estes acontecimentos e nada faz para impedi-los, é igualmente criminoso, e sádico, pois faz questão de assistir e depois partilhar na internet. E de que adianta submeter às pessoas a assistir estas filmagens, depois que o crime já aconteceu? Talvez, se ao invés de filmar, tivessem chamado a polícia, tais coisas não teriam acontecido!

Sem contar os inúmeros casos de notícias falsas, acusando pessoas inocentes de maltratar animais ou vulneráveis, onde fotografias dos ‘torturadores’ são partilhadas enquanto o ódio é incitado contra estas pessoas inocentes, que acabam sendo torturadas e mortas por justiceiros. Eu me pergunto: por que ainda há pessoas que partilham coisas assim?

Existe uma divisão nos dias de hoje, entre os ‘bonzinhos’ e os ‘malvados.’ Mas pelo que vejo, esta divisão está ficando cada vez mais tênue, e a barreira entre a maldade e a bondade está sendo rompida pela hipocrisia e a vontade de aparecer. Quem filma coisas assim não é bonzinho: é um sádico. E o mal está vencendo, tomando conta do bem, contaminando o bom senso.

Está errado quem rouba, está errado quem tortura, está errado quem filma e posta na rede. E compartilhar cenas como estas – hoje eu compreendo – é o mesmo que dar suporte a esse tipo de coisa. Pois tudo o que eles querem, é notoriedade. Vídeos assim devem ser entregues à polícia, e não serem partilhados nas redes sociais.
 


 
 
Ana Bailune
Enviado por Ana Bailune em 12/06/2017


Comentários

MATURIDADE Ana Bailune R$11,55
O JARDINEIRO SONHADOR & OUTRAS CRÔNICAS Ana Bailune R$4,34
LIXO EXISTENCIAL - AMOSTRA Ana Bailune R$1,00
SEMPRE CADA VEZ MAIS LONGE Ana Bailune R$2,00
A Ilha dos Dragões Ana Bailune R$7,00
Vai Ficar Tudo Bem - ESGOTADO - Disponível na... Ana Bailune R$2,00
Site do Escritor criado por Recanto das Letras