By Ana Bailune
"Toda a arte é completamente inútil." -  Oscar Wilde
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


Continuação do texto anterior
 



LIXO – Quando fui jogar o lixo fora pela primeira vez, deparei com uma fileira de recipientes, cada qual para um tipo de lixo específico. Voltei para dentro de casa carregando meu único saco de lixo, e comecei a separar tudo. Alguém me disse que os potinhos, garrafas e recipientes deveriam ser lavados antes de serem descartados, e passei a fazer disto um hábito. Há também saquinhos plásticos específicos para cada tipo de lixo, mas pulei essa parte, pois não estavam disponíveis na casa e ficaria um pouco caro compra-los.

Aqui na minha cidade houve uma campanha há alguns anos pela reciclagem de lixo, e comecei a separar e lavar todo o meu lixo, mas parei de fazer isso quando vi o caminhão de lixo chegar e o funcionário juntar tudo e jogar no triturador. Estava perdendo meu tempo.




MODA – Milão é conhecida como a capital da moda, e as pessoas realmente se vestem bem, mas sem exagero ou ostentação. O que me chamou muito a atenção, é que as mulheres da minha idade e mais velhas, na sua maioria, não tingem cabelo. Assumem os fios brancos, que são mantidos em lindos cortes e penteados. Assumem a idade que têm, sem deixarem de se cuidar e ser muito elegantes e bem vestidas. Não me lembro de ter visto mulheres “malhadas” ou “Bombadas”. Também não vi rostos siliconados e deformados por botox. O que vi, foram mulheres magras, na sua maioria, elegantes, muito bem vestidas e bonitas. Elas sentam-se nos cafés que existem aos montes pelas calçadas, caminham pelas ruas levando seus cães nas coleiras – e não se constrangem em recolher as fezes destes em saquinhos plásticos – e parecem ser felizes.

Eu um dia fiquei algum tempo sentada em um daqueles cafés num final de tarde, com meu marido e mais uma pessoa, e fiquei observando enquanto os milaneses passavam por mim, entrando e saindo de prédios antigos e maravilhosos, muitos acompanhados de seus cães. Pensei que uma vida assim não me faria mal...



CÃES- Parece que as pessoas na Itália adoram cães! Não vi nenhum cão abandonado, mesmo em uma cidade onde até os mendigos têm cães, e cuidam muito bem deles! Porém, às vezes eu percebi que alguns cães, apesar de gordinhos e parecendo ser amados, traziam os pelos emaranhados e sujinhos... acho que essa coisa de tomar poucos banhos também vale para eles. Uma cena marcante, que não fotografei por respeito, se deu bem próximo a Duomo: Havia uma moça sentada no chão, sobre um cobertor. Ela chorava muito, e tinha um cão preto dormindo ao lado dela. Era uma mendiga, jovem e muito bonita. Quem sabe, uma imigrante? Quando passamos de volta, ela estava indo embora. E o cão atrás dela, carregando na boca um urso de pelúcia encardido. Foi triste, e lindo, ao mesmo tempo.

Os cães na Itália têm acesso livre a mercados, calçadas e praças, trens e metrôs, ônibus e lojas, restaurantes e pontos turísticos em geral. Ser cachorro na Itália deve ser bom! Bem que eu me imaginei com o Mootley e a Leona, andando pelas ruas de Milão...


MENDIGOS -  Há muitos mendigos pelas ruas de Milão, principalmente, próximos à Catedral. Me pareceram imigrantes – há muitos por lá, e a maioria deles são indianos, africanos e muçulmanos. Alguns vendem flores e outros artigos nas ruas. Acho que estes não são moradores de rua. O problema, é que eles se aproximam da gente, e praticamente nos obrigam a segurar as flores, dando a entender que estão nos presenteando, e logo depois voltam, cobrando por elas. Se tentamos devolvê-las, eles insistem até que alguém perca a paciência. Isto foi muito chato e inconveniente. Não gostei desta tática de venda!

Em Florença, vimos quando um africano foi preso por tentativa de furto, e logo depois, um grupo de africanos corriam pelas ruas, tendo policiais uniformizados e à paisana em seu encalço. Mas diferentemente daqui, eles furtam, mas não parecem carregar armas nem matar ninguém. Florença está cheia deles, e também de policiais disfarçados.

(CONTINUA...)
 

 
Ana Bailune
Enviado por Ana Bailune em 25/09/2017
Alterado em 25/09/2017


Comentários

MATURIDADE Ana Bailune R$11,55
O JARDINEIRO SONHADOR & OUTRAS CRÔNICAS Ana Bailune R$4,34
LIXO EXISTENCIAL - AMOSTRA Ana Bailune R$1,00
SEMPRE CADA VEZ MAIS LONGE Ana Bailune R$2,00
A Ilha dos Dragões Ana Bailune R$7,00
Vai Ficar Tudo Bem - ESGOTADO - Disponível na... Ana Bailune R$2,00
Site do Escritor criado por Recanto das Letras