By Ana Bailune
"Toda a arte é completamente inútil." -  Oscar Wilde
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
Textos


Coisa de Gente Velha?


Procurando por assuntos que pudessem virar aulas de conversação interessantes para meus alunos de inglês, deparei com um site de perguntas destinadas a este fim. Uma delas eu achei muito interessante: "What 'old person' things do you do?" (Que coisas de gente velha você faz?)

Eu ri sozinha aqui, e comecei a pensar... bem, eu gosto de dormir de meias. Acho que isso é coisa de gente velha, não é? Quase sempre durmo de meias, mesmo no verão, e se eu me esqueço, acordo durante a noite várias vezes para ir ao banheiro - que é outra coisa de gente velha: fazer xixi várias vezes por noite.

Uma outra coisa que eu faço - ou seja, digo - e que soa como coisa de gente velha: quando eu gosto de algo, costumo comentar: "Bacana!" Acho que esta é uma palavrinha bem careta e fora de moda!

Uma outra coisa de velha que tem me ocorrido ultimamente, é que às vezes eu me pego começando uma frase com: "No meu tempo..."  Ai, meu Deus, deu detesto isso,  mas quando eu vejo, já saiu! O que será que significa?

Às vezes, quando vou comprar roupas, fico na dúvida se o que eu escolhi é adequado à minha idade. Está ficando cada vez mais comum sair para comprar roupas, entrar na cabine com uma porção de vestidos e não levar nenhum, pois: ou eu acho que estão muito curtos, ou são coloridos demais, ou então decotados demais, ou que são coisas de velha! 

O simples fato de ter me sentido inspirada a escrever esta crônica baseada na pergunta que achei no site, já é um sinal de que eu ando fazendo muitas coisas de gente velha ultimamente. E a tendência é piorar.

Quando me pego dizendo ou pensando coisas como "Isso não é música! Música é o que eu escutava quando era jovem!", me sinto com mil anos; me lembro da minha mãe dizendo a mesma coisa sobre os discos que eu gostava de ouvir, e do quanto a gente implicava com ela quando ela tocava as músicas do "seu tempo" e nós nos curvávamos para frente, fingindo que estávamos com dor de barriga ou vomitando. Mas se alguém mais jovem fizer fizer isso a respeito das músicas que eu gosto, com certeza vai levar uma bronca. Eu exijo respeito!

Mas exigir respeito também é coisa de gente velha...

Reparei que nos dias de hoje consigo ficar quase cinco minutos conversando sobre dores nos joelhos, cansaço, insônia, qual é a melhor tinta para cobrir os cabelos brancos, o remédio que a gente toma para baixar colesterol, o melhor creme para rugas, enfim, esses assuntos de gente velha.

Socorro! Não quero virar uma dessas velhas que só abre a boca para falar de médicos, remédios e problemas de saúde! Quero ser igual à Tia Rosa e Tia Nanina, as tias italianas da minha mãe, que apesar da idade avançada, sabiam de tudo o que acontecia no mundo, assistiam Rambo e nunca falavam de doença. Mas eu não gosto de Rambo. Rambo hoje em dia é coisa de velha. 

Alguns meses antes de morrer, minha mãe veio aqui em casa e, olhando o pôr-do-sol da janela do quartinho de hóspedes, que dá para uma montanha magnífica, ela abriu os braços e disse: "Isso é maravilhoso! Você tem sorte, e deve agradecer a Deus todos os dias." E quando eu começo a pensar em envelhecer e em coisas de velha, eu me lembro daquele dia. Ela morreu com quase 86 anos, e nunca se preocupou em se comportar como gente velha.

E você aí: anda fazendo muita coisa de gente velha ultimamente?





 
Ana Bailune
Enviado por Ana Bailune em 08/02/2018


Comentários

MATURIDADE Ana Bailune R$11,55
O JARDINEIRO SONHADOR & OUTRAS CRÔNICAS Ana Bailune R$4,34
LIXO EXISTENCIAL - AMOSTRA Ana Bailune R$1,00
SEMPRE CADA VEZ MAIS LONGE Ana Bailune R$2,00
A Ilha dos Dragões Ana Bailune R$7,00
Vai Ficar Tudo Bem - ESGOTADO - Disponível na... Ana Bailune R$2,00
Site do Escritor criado por Recanto das Letras