By Ana Bailune
"Toda a arte é completamente inútil." -  Oscar Wilde
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
Textos

Uma Conjuntivite Pode Nos Devolver à Nossa Verdadeira Dimensão
 
 
20180121_095150.jpg
 
 
 
 
 
Começou no sábado pela manhã, no olho esquerdo, com um pequeno inchaço e vermelhidão. Ainda pude dar as minhas aulas. Porém, à hora do almoço, meu olho estava muito vermelho, e purgando um líquido viscoso e amarelo – pus. À noite, o outro olho já tinha sido contaminado. Ambos os olhos ficaram muito vermelhos, inchados e purulentos. 
 
Não fui ao médico ainda, pois quem consegue um oftalmologista no final de semana? Decidi procurar um médico na segunda de manhã, sabendo que se eu quiser ser atendida, terei que desembolsar o valor de uma consulta, apesar de ter plano de saúde, ou então aguardar por um mês até o dia da consulta marcada coberta pelo plano. Achamos – meu marido e eu – que a emergência do hospital não poderia fazer nada pela minha situação, a não ser me mandar fazer o que estava fazendo, ou seja, banhar os olhos com soro fisiológico. 
 
A conjuntivite me deixou de molho o fim de semana todo. Quem já teve, sabe o incômodo que ela causa. Não são apenas os olhos vermelhos, doloridos, inchados e lacrimejantes, mas também o fato de que a visão fica embaçada, e o aspecto é repugnante, além de que conjuntivite é uma doença altamente contagiosa. Acho que eu a peguei na sexta-feira à noite, ao acompanharmos uma pessoa à uma unidade da UPA aqui em minha cidade.
 
Mas tive bastante tempo, deitada no meu posto no sofá junto aos meus apetrechos de tratamento, para pensar no quanto a vida é frágil. Temos a tola mania de nos acharmos resistentes, fortes e até invencíveis algumas vezes; alguns de nós chegam a pensar em eternidade, imaginando o que ficará de suas “mensagens” quando não estiverem mais aqui. Já deixei de me preocupar com isso há muito tempo. Quando eu não estiver mais aqui, acontecerá o mesmo que ocorre à maioria das pessoas: serei esquecida, e tudo o que escrevei ficará perdido, até desaparecer ou ser requisitado por outro “autor.”

20180218_100833.jpg
Meus olhos
 
Tantos planos para o fim de semana – almoçar fora, ir às compras no mercado, dar uma volta à pé pela vizinhança ou ter uma tarde agradável em frente à TV com meu marido e meus cães... como se o fato de fazer planos nos deixasse em uma posição segura, pois quem planeja seus dias é organizado e tem mais chance de ver seus planos se tornarem realidade. Isso é uma mentira. Planejar ou não planejar, quando a vida quer interromper alguma coisa ela simplesmente o faz, sem se importar com nossos planos, pirraças ou frases de efeito assimiladas em livros de autoajuda. 
 
Há alguns anos, em 2011, meu jovem sobrinho morreu de câncer após um ano de lutas contra a doença. Todo mundo que o conhecia tinha certeza de que ele escaparia, porque era jovem e bonito, estava cheio de otimismo, seguia o tratamento à risca e sempre tivera hábitos de vida saudáveis. Não fumava nem bebia e gostava de praticar esportes. Enfim, como todos diziam, ele tinha a vida toda pela frente. Mas de nada adianta ter a vida toda pela frente se ela decidir que acabou.
 
Na verdade, não temos garantias de nada, de coisa alguma. Qualquer coisa, boa ou ruim,  pode acontecer a qualquer pessoa a qualquer momento. E nem precisa ser alguma coisa muito grande – basta uma simples conjuntivite – para percebermos o quanto somos fracos, vulneráveis, e o quanto é ridícula essa mania de achar que coisas ruins estão reservadas a pessoas ruins. Coisas boas e ruins acontecem a todos. Nem mesmo os religiosos estão imunes aos desastres (se acham que estão, pensem no fim que muitos religiosos tiveram ao longo da história).
 
Acho que gostamos de acreditar que pensamentos positivos nos protegem; gostamos de nos enganar, afirmando que quem anda com Deus, está seguro. Isso nos deixa temporariamente mais corajosos, pelo menos, até que algo aconteça e prove o contrário. Não estamos seguros, e é preciso conviver com essa certeza todos os dias. 
 
Mas insistimos em ter fé. A fé é a nossa garantia sem garantias. Sem ela, fica difícil ter coragem de tentar qualquer coisa. A fé é a nossa gasolina, o combustível que nos impulsiona para frente. Mesmo que o veículo possa quebrar a qualquer momento. A fé é como uma centelha dentro da gente que nos faz caminhar e acreditar que podemos realizar algumas coisas, apesar de tudo. Ela nos faz cruzar um tiroteio a fim de pegar o ônibus ou o trem que nos levará ao trabalho. Ela nos faz afirmar que um dia, haverá igualdade social - mesmo que nem todos estejam igualmente preocupados em trabalhar por ela, e que a maioria dos que por ela clamam, desejam obter tudo 'de graça' ou pegando de outros que trabalharam por condições de vida melhores. 
 
A fé é boa, mas o excesso dela pode ser muito prejudicial. É justamente o excesso de fé que faz com que as pessoas sejam enganadas, colocando suas esperanças em quem se alimenta delas feito vampiros, mas disfarçados de salvadores. A fé exagerada deixa as pessoas cegas, promovendo o auto-engano. 
 
Mas a verdadeira fé é o que faz com que as pessoas continuem acreditando que estão levando suas vidas, mesmo que a verdade seja que elas estão sendo levadas pela vida. A fé é o que nos faz acreditar que, mesmo sendo levados, chegaremos a algum lugar e a algum significado.
 
Daqui a alguns dias, estarei curada da minha conjuntivite; tenho esta fé. Mas não tenho a certeza. Esta, quem tem é a vida.


 
Ana Bailune
Enviado por Ana Bailune em 19/02/2018


Comentários

MATURIDADE Ana Bailune R$11,55
O JARDINEIRO SONHADOR & OUTRAS CRÔNICAS Ana Bailune R$4,34
LIXO EXISTENCIAL - AMOSTRA Ana Bailune R$1,00
SEMPRE CADA VEZ MAIS LONGE Ana Bailune R$2,00
A Ilha dos Dragões Ana Bailune R$7,00
Vai Ficar Tudo Bem - ESGOTADO - Disponível na... Ana Bailune R$2,00
Site do Escritor criado por Recanto das Letras