By Ana Bailune
"Toda a arte é completamente inútil." -  Oscar Wilde
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
Textos


Um Jardim se Expande Diante de um Olhar
 
Você chega naquele jardim relativamente pequeno e olha em volta; pensa: “É um pequeno jardinzinho.” E você está certo, se for considerar apenas o espaço físico em metros quadrados ocupado por ele. Mas se você se sentar e olhar em volta de verdade, vai começar a perceber, ali, naquele pequeno espaço, centenas de coisas diferentes e interessantes que geralmente estão escondidas aos olhares mais distraídos.
De repente, um passarinho pousa, você o segue com o olhar enquanto ele pula sobre os galhos das árvores e faz uma linda descoberta: existe um ninho ali perto. Você se aproxima e vê os pequenos pássaros ainda sem penas, e escutando um crocitar, olha para cima e repara no tucano que pousou em outro galho, interessado em uma refeição fácil. Atraídos pelos gritos da mãe passarinho, outros pássaros se juntam para banir o intruso e assegurar a segurança dos ninhos que estão por ali.

Encantada – afinal, ver um tucano em um jardim assim não é tão comum, você agora passa a focar nos gritos das maritacas que, sentadas na beirada do telhado, conversam em voz alta, rindo distraídas. Logo, o bando se retira em uma revoada barulhenta, indo pousar nas árvores do vizinho.

É nesse exato momento que você percebe, ali, bem juntinho ao chão, algumas pequenas flores coloridas que ninguém plantou, e também aprecia as orquídeas que você colocou nas árvores há mais de um ano, e que finalmente, decidiram florir. Um espetáculo à parte! E enquanto você está distraído com as flores, um casal de borboletinhas amarelas passam juntas, rodopiando como se dançassem uma valsa. E junta-se a ela uma monarca, duas, três, e então vêm as borboletinhas brancas. Um vento forte as sopra para longe, trazendo um besouro de asas nacaradas que passa zunindo pertinho do seu ouvido, indo pousar no tronco da árvore. 

No céu, nuvens pequeninas deslizam suavemente sobre o fundo azulado. O dia está um pouco nublado, fresco e delicioso. Daí você se senta em uma grande pedra que fica sob uma árvore, e olhando à direita, enxerga as montanhas. Seus olhos se perdem sobre elas, as pupilas rolam sobre as encostas catando todo o musgo das pedras, sorvendo a água que escorre das minas e dá a montanha um aspecto espelhado quando o sol bate.

Mas olhe só que coisa tão perfeita, esse chapeuzinho de sapo na madeira velha! Parece coisa de magia! A terra úmida solta seu perfume, que atinge suas narinas de repente e você automaticamente fecha os olhos para senti-lo melhor. E fechando os olhos, você começa a escutar sons que antes não estava escutando. E a brisa mais delicada entra em seus ouvidos, os cantos de passarinhos mais distantes, zumbidos, e até mesmo um bater de asas de borboleta. Você escuta o jardim, e nota que um jardim pode ser percebido de várias formas diferentes, não apenas através do olhar, mas do tato, do olfato e da audição.

E você se vê sendo invadido aos poucos por um sentimento quase religioso, uma paz de espírito imensa ali, entre o verde, enquanto se senta na grama macia e percebe entre as folhinhas da grama outras criaturinhas que moram por ali. E você pensa: “Como é possível que alguém seja infeliz nesse mundo? Por que há tantas coisas tristes e medonhas fora dos jardins?” A resposta vem em um relance: “Porque as pessoas focam naquilo que não devem. Se abrissem seus sentidos a qualquer jardim, por menor que ele fosse, com certeza o mundo seria bem mais bonito, muito mais alegre, e todos viveriam em paz.”

Você não precisa de dinheiro para sentar-se em um jardim. Nem precisa de muito tempo, ou de roupas ou sapatos especiais. Não precisa nem de companhia – aliás, eu aconselho que você faça isso sozinho, sem ninguém falando nos seus ouvidos, desfolhando problemas, reclamando ou se lamentando. Vá sozinho, procure o seu jardim, e ele nem precisa ser seu, não tem que estar na sua casa; pode ser um local público. Pode ser uma praça, ou a casa de um amigo ou conhecido.  Mas enquanto você estiver lá, ele será só seu. E você será só dele.

Olhe para um jardim, e ele olhará para você. Vocês dois estabelecerão uma conexão importante, privada, construindo em seu coração um lugar de paz e de relaxamento para onde você poderá ir sempre que quiser ou precisar. 


Ana Bailune
Enviado por Ana Bailune em 15/10/2019


Comentários

Free background from VintageMadeForYou
MATURIDADE Ana Bailune R$11,55
O JARDINEIRO SONHADOR & OUTRAS CRÔNICAS Ana Bailune R$4,34
LIXO EXISTENCIAL - AMOSTRA Ana Bailune R$1,00
SEMPRE CADA VEZ MAIS LONGE Ana Bailune R$2,00
A Ilha dos Dragões Ana Bailune R$7,00
Vai Ficar Tudo Bem - ESGOTADO - Disponível na... Ana Bailune R$2,00
Site do Escritor criado por Recanto das Letras