By Ana Bailune
"Toda a arte é completamente inútil." -  Oscar Wilde
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
Textos





Eu te Declamo

Eu te declamo, e tu nasces
Numa outra nova vida
Que começa exatamente
Na ponta da minha língua.

Eu te desenho e te moldo
Com as unhas, com os dedos,
Nas palmas das mãos, enrolo
Tuas pupilas, tuas meninas,
Lançando-as sem qualquer medo
Ao pó de qualquer esquina.

Eu te declamo em meus versos,
Rabisco-te no papel,
Na tela do cumputador
Sem a falácia do amor,
Mas antes, e sempre e tanto,
(Como dizia o Poetinha)
Eu faço nascer teu sangue
Sem qualquer cuidado ou zelo 
Das veias de cada linha.

Eu te declamo, e tu nasces,
E eu te relego à carência,
Te abandono à própria sorte
Sem derramar qualquer pranto
Nas corredeiras da morte.

Tu rolarás, até que
Te projetes, por encanto,
Com decência, por ti mesmo,
Sobre a dor do desencanto
Sem autopiedade ou pena
Nas linhas arrematadas
Do teu próprio vil poema.




 
Ana Bailune
Enviado por Ana Bailune em 25/11/2019


Comentários

Free background from VintageMadeForYou
MATURIDADE Ana Bailune R$11,55
O JARDINEIRO SONHADOR & OUTRAS CRÔNICAS Ana Bailune R$4,34
LIXO EXISTENCIAL - AMOSTRA Ana Bailune R$1,00
SEMPRE CADA VEZ MAIS LONGE Ana Bailune R$2,00
A Ilha dos Dragões Ana Bailune R$7,00
Vai Ficar Tudo Bem - ESGOTADO - Disponível na... Ana Bailune R$2,00
Site do Escritor criado por Recanto das Letras