By Ana Bailune
"Toda a arte é completamente inútil." -  Oscar Wilde
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Meu Diário
24/06/2013 08h24
sonho- militante


Sonhei que subia um morro carregando uma arma - um fuzil. Eu sentia muito calor, e era militante contra o governo. Não participava das lutas, mas era responsável pela entrega de comida e armas, e também abrigava algumas pessoas às escondidas. Dilma tinha assumido totalmente o poder, tornando-se uma ditadora. 



 



Lembro-me de estar conversando com estrangeiros que estavam infiltrados no país para derrubar o governo ditador. Eu entendia o que eles falavam, e apesar de se comunicarem em espanhol a maior parte do tempo. Eles diziam que eu estava acima de qualqer suspeita, e que por isso, poderia ajudá-los muito. Disseram também que estavámos seguros morando naquele morro. Mas o que eu mais me lembro, era o calor quase ardente do sol nas minhas costas. E a sensação de desesperança.



 



 



Interpretação: pode ser um sonho baseado apenas nas coisas que andam acontecendo no país; mas também significa uma luta da qual participarei, não sei de que tipo, mas precisarei talvez mudar muitas crenças e esforçar-me bastante em alguma tarefa. Talvez o sonho esteja relacionado em ajudar alguém.



Publicado por Ana Bailune em 24/06/2013 às 08h24
 
07/05/2013 06h55
SONHO - ESTRADA


Sonhei que viajava, ao entardecer, guiando uma motocicleta por uma estrada maravilhosa. (Na verdade, não sei guiar nem velocípede). O sol estava quase se pondo entre cores lindas, muitos rosas, vermelhos, azuis, lilases. Havia montanhas lindas no horizonte, e em um vale lá embaixo, um povoado de casas lindas e uma grande igreja - um convento ou orfanato. Eu de vez em quando parava para tirar fotografias de tudo, e pensava em como era bom ter minha própria moto, assim, poderia parar quando quisesse.



 



Meu marido e minha irmã viajavam comigo. Havia mais pessoas, mas não me lembro quem eram.



 



Chegamos aos portões de um convento ao escurecer. Para chegar à cidade, tínhamos que cruzar aquele portão e descer uma rua. E eu fotografando tudo. Parecia uma daquelas cidadezinhas da Holanda. Lembro de flores e canteiros.



Ao pararmos diante das portas da igreja, nos fundos, fomos recebidos pelas freiras. Eram amistosas e muito solenes. Entramos, e havia muitas crianças vestidas de azul. Estavam felizes. Notei que ali era um orfanato. Elas ensaiavam uma dança. Havia várias caminhas em um quarto grande.



Acho que haveria algum evento ou festa na cidade para o qual todos se preparavam.



Depois, as freiras pediram que nos retirássemos, e um de nós apenas ficou lá dentro falando com elas. Não me lembro quem era.



 



Já era noite. Estávamos felizes e um pouco cansados. Precisávamos procurar um lugar para pousar.



 



*



 



Interpretação: estrada bonita, por do sol. A viagem da vida. Um nível de maturidade que só se alcança nesse estágio. Tirar fotografias - guardar experiências. Um vale onde há uma cidade - meu interior. As freiras, meu lado espiritual que acho que se modificou muito ultimamente. As crianças- se aprontando para uma festa, um recomeço. Alegria, coisas boas que estão por vir.



 



Acredito que seja um sonho de amadurecimento. A linda cidadezinha onde se chega após uma longa viagem.



Publicado por Ana Bailune em 07/05/2013 às 06h55
 
23/01/2013 08h05
Sonho - Praia Deserta


 



Sonhei que dois blocos tinham caído dos meus dentes, e eu estava na pia do banheiro, cuspindo os pedaços - que eram grandes demais, bem maiores que obturações normais. Colocava tudo em um saco plástico preto, pois levaria ao dentista para restaurar. Quando eu abro a boca no espelho para olhar os dentes de onde caíram os blocos, havia apenas dois enormes buracos na gengiva. Eram negros e profundos, e a carne dentro deles parecia apodrecida.



 



Fiquei aborrecida porque meu dentista, sempre tão bom e atento, tinha feito um trabalho tão ruim.



Mesmo assim, coloquei os pedaços dos dentes no saco plástico e pus no bolso do casaco.



 



Depois, eu e minha irmã caminhávamos à noite por uma praia escura e deserta. Em volta, escombros, como se tivesse havido um maremoto ou algo assim. Pilhas e pilhas de ripas de madeira, como se pertencessem a navios naufragados, telhas, enfim, montes de coisas destruídas. Nós íamos passando por aquelas coisas. A areia era escura, cheia de pó de pedra, e havia marcas de água escorrida, sulcos, onde se via pedras de todos os tamanhos, como pedras de rio após uma enchente.



 



De repente, eu me vi sozinha, e comecei a procurar por minha irmã. Caminhei pela praia deserta chamando por ela. Até que cheguei a um penhasco baixo, onde havia uma pequena casa - a única construção inteira que havia na praia - bem em frente ao mar. Era azul-clara de janelas brancas, e estava perfeita, como se tivesse sido recém-pintada. Vi minha irmã limpando o terreno em volta da casa, de onde vinha a única fonte de luz de todo aquele lugar triste e inóspito. Ela também entrava na  casa e voltava com os ombros carregados de madeiras velhas, que ela depositava em um canto do terreno.



 



Pensei na casa como um lugar para recomeçar, mas ao mesmo tempo, eu olhava a praia suja e cheia de entulho, e pensava: "Como recomeçar num lugar assim?"



Publicado por Ana Bailune em 23/01/2013 às 08h05
 
31/12/2012 17h52
Sonho - Aparelhos


Eu estava no hospital onde minha mãe está internada, e era noite. O corredor estava semi-escuro, e eu parecia estar em um nível mais alto, como se flutuasse perto do teto. Chego à porta do quarto de minha mãe e vejo os enfermeiros em volta dela, tirando os tubos e aparelhos. Ela estava apenas deitada e inerte, a cabeça inclinada para o lado.

 


 

 

 


Quando acordo, meu marido está de pé ao meu lado, dizendo: "Acorda, Ana. Está na hora. Acabou." Eu vi as pernas dele, a calça cinza do pijama, escutei a voz dele, vi a cortina e o quarto na penumbra, mas de repente, ele desapareceu, e vi que ele apenas dormia na cama. Levantei assustada. Eram umas cinco da manhã.

 

 


 

 

 


Tomara que este sonho signifique uma conclusão para essa história que se arrasta há um mês.

 

 

PS: Na manhã do dia 01/01/2013, o hospital ligou. Minha mãe morreu naquela noite.

 


Publicado por Ana Bailune em 31/12/2012 às 17h52
 
11/11/2012 18h41
Sonho-Dentes

Sonhei que eu estava preocupada porque não tinha mais meus dentes. Como poderia sorrir, dar as minhas aulas, como?

 

Eu passava a língua na gengiva, angustiada. Mas quando me olhei no espelho, deparei com dentes bonitos e brancos - uma dentadura. Eu achei melhor que nada, mas pensava: 'Não são os meus dentes.' Eu apertava a dentadura, fechando a boca com força, e sentia a dor que ela causava ao encaixar-se na gengiva. Pensava que talvez fosse melhor fazer um implante.

 

**************

 

 

Alguns creem que sonhar com dentes caindo é morte. Mas no meu caso, eu já não tinha os dentes desde o início do sonho.

A dentadura: dentes falsos. Sorrir com dentes que não são meus. 

 

Melancolia, que tento combater, mas que causa uma situação irreal.


Publicado por Ana Bailune em 11/11/2012 às 18h41



Página 3 de 5 1 2 3 4 5 [«anterior] [próxima»]

MATURIDADE Ana Bailune R$11,55
O JARDINEIRO SONHADOR & OUTRAS CRÔNICAS Ana Bailune R$4,34
LIXO EXISTENCIAL - AMOSTRA Ana Bailune R$1,00
SEMPRE CADA VEZ MAIS LONGE Ana Bailune R$2,00
A Ilha dos Dragões Ana Bailune R$7,00
Vai Ficar Tudo Bem - ESGOTADO - Disponível na... Ana Bailune R$2,00
Site do Escritor criado por Recanto das Letras